Como baixar artigos científicos pelo celular

TUTORIAL

1) Primeiramente você deve baixar o Telegram, que é um aplicativo para troca de mensagens similar ao WhatsApp.

2) Com o aplicativo devidamente instalado no seu celular procure por @Scihubot na lupa no canto superior direito.

54278382_2162525537166209_5799458219113840640_n

3) Você então adiciona este contato que imediatamente te enviará uma mensagem.

53797675_2162525687166194_5063337881557270528_n

4) Daí pra frente é só enviar o título do artigo no bate papo:53595886_2162525623832867_1937324627554467840_n

5) Caso ele tenha o artigo ele te envia o link para baixar:

54095288_2162525503832879_125391295328813056_n

Sensacional né? Tudo isso durou dois minutos!

Já conhece o nosso novo site? mais completo, mais moderno e mais bonito, confira: https://www.tudosobreposgraduacao.com/

Vai fazer a sua monografia ou TCC este ano? Acelere o seu trabalho, baixe gratuitamente o e-book Como Fazer um TCC com Ferramentas que Aceleram a Produção 23x Mais Rápido!TCC 23 VEZES MAIS RÁPIDO

Anúncios

O que vem em seguida para a ‘Geração Perdida’ de acadêmicos?

Para um sistema acadêmico sustentável

Na academia, a “geração perdida” refere-se a cientistas e pesquisadores em meio de carreira que, após concluírem muitos contratos de curto prazo e posições temporárias, encontram-se amplamente excluídos das carreiras de pesquisa devido à falta de oportunidades para cargos permanentes.

Esse grupo de pessoas frequentemente também experimentam dificuldades em explorar planos de carreira em outros setores da sociedade, causando sofrimento e uma enorme perda de talentos humanos e recursos financeiros. Quais são os principais fatores por trás deste problema e como resolvê-lo?

A “geração perdida” é uma questão que ressoa intensamente com muitas pessoas, pois é muito difundida e afeta profundamente a vida das pessoas. No entanto, muito pouco foi feito no nível político, embora tenha havido recomendações para implementar mudanças tanto nos EUA e na Europa.

Um workshop foi organizado no EuroScience Open Forum (ESOF) 2018 que é um grande fórum que reúne pesquisadores, formuladores de políticas e o público. O foco estava nos desafios atuais e possíveis soluções para mitigar a situação atual e evitar futuras “gerações perdidas”.

Reestruturação do sistema acadêmico: responsabilidade e sustentabilidade

A “geração perdida” é um termo atribuído a Gertrude Stein, que o usou para identificar escritores que atingiram a maioridade durante a Primeira Guerra Mundial, para quem os valores pré-guerra não eram mais relevantes. Em termos gerais, se refere a uma geração insatisfeita chegando à maturidade durante um período de instabilidade em que “antigas verdades” não são mais válidas. A academia não é o único setor que sofre de características de ‘geração perdida’, no entanto, o atual sistema acadêmico agrava o problema.

A academia é um termo amplo, pois é composta de campos distintos em diferentes países com diversos modelos institucionais. Isso representa um desafio para identificar causas e propor recomendações de políticas, pois sua implementação irá – e deve! – variar em todo o setor. Nós nos concentramos principalmente em questões sistêmicas.

A carreira de pesquisa acadêmica “convencional” é fixa, passando de estudante de doutorado a um período de “treinamento” de pós-doutorado seguido por um período de estabilidade e, finalmente, cargos efetivos, ie pesquisador estável e/ou cargos docentes. Este é um sistema ultrapassado, pois não atende aos interesses da maioria dos pesquisadores ou ao avanço da ciência.

‘O número de pessoas na academia cresceu muito rapidamente e o sistema agora está subfinanciado e hipercompetitivo .’

Isso reduziu drasticamente o número de vagas e a taxa de incorporação para posições estáveis, com um aumento simultâneo de contratos de curto prazo e bolsas temporárias que podem durar toda a vida de um pesquisador. Estas posições de curto prazo carregam alta incerteza e baixos benefícios e, eventualmente, em muitos casos, levam a um beco sem saída.

Uma opção para contrariar este problema é implementar novas posições estáveis ​​intermediárias e de longo prazo dentro de equipes de pesquisa distintas de pesquisadores ou professores. Essas seriam posições como equipe técnica, equipe de pesquisa ou investigadores independentes dentro de equipes maiores. Isso permitiria a retenção de pessoas talentosas que não querem liderar ou gerenciar projetos de pesquisa, mas que são um grande trunfo em equipes de pesquisa. Também resolveria problemas atuais de manutenção e continuação de conhecimento.

A proliferação de contratos de curto prazo resulta em uma alta rotatividade de pessoal em pesquisa e muitos conhecimentos científicos e práticos (por exemplo, habilidades laboratoriais) são perdidos, diminuindo ou até retardando a descoberta científica. A maioria dos líderes de equipe e pesquisadores durante as sessões do ESOF apoiaram bastante essa medida.

Investindo no futuro

Rolf Tarrach, presidente da European Universities Association ( EUA ), apontou que uma razão pela qual isso pode não ter sido implementado até agora é o fato de que os governos teriam que pagar mais em planos de pensão (já que cargos de longo prazo com benefícios substituiriam muitas posições de curto prazo que em grande parte são sem benefícios).

No entanto, e como Rolf Tarrach também comentou, se pudermos convencer os tomadores de decisão sobre a importância de investir em pesquisa, a implementação de posições intermediárias também deve ser possível. Este movimento deve ser visto como um investimento para uma sociedade cada vez mais baseada no conhecimento e, como tal, seria um ativo de longo prazo e não um fardo para os governos.

Um ponto menos consensual é o de um aumento de financiamento. Embora tenha havido concordância na sessão do ESOF de que o aumento do financiamento no Ensino Superior e na Pesquisa é benéfico e deve fazer parte da solução, isso não será suficiente para resolver todas as falhas sistêmicas.

Uma visão mais realista é que a defesa do aumento do financiamento deve ser combinada com propostas de mudanças estruturais e como melhor gerenciar e equilibrar a situação atual.

Conhecendo as opções

Em última análise, somos todos responsáveis ​​pelas escolhas que fazemos durante a nossa carreira e, como tal, para permitir uma melhor tomada de decisão em torno das escolhas de carreira, a transparência é crucial.

Rolf Tarrach propôs que cada instituição elaborasse e tornasse disponíveis e visíveis todos os dados sobre a progressão na carreira de estudantes de doutorado, bolsistas de pós-doutorado e dos mais altos cargos de pesquisa.

Se as taxas de retenção e os resultados forem divulgados, os pesquisadores poderão avaliar as opções de carreira e tomar decisões de carreira baseadas em informações. Isso também geraria responsabilidade e transparência no nível das instituições, que atualmente está amplamente ausente. Esta proposta está em avaliação no conselho de administração da European Universities Association.

Informação e transparência

Uma questão que tem prevalecido muito na discussão sobre o destino dos cientistas em meio de carreira é em torno da quase total falta de informação. Foi a visão geral durante a sessão do ESOF que sem saber onde, como e o que está acontecendo com os pesquisadores em diferentes estágios de carreira, é impossível projetar estratégias para mitigar e resolver o problema.

Se as instituições mostrarem publicamente os resultados profissionais de curto, médio e longo prazo de seus pesquisadores, teríamos um quadro mais completo. Esta é uma tarefa desafiadora, e é improvável que todas as instituições concordem em fazer isso. No entanto, muitas instituições não estão assumindo sua parcela de responsabilidade pelo destino de seu pessoal. Por uma questão de transparência e justiça, devemos encorajar e apoiar aqueles que o fazem e pressionar aqueles que não o fazem.

Incentivando o compartilhamento de informações

O programa do European Research Council ( ERC ) tem sido considerado um dos melhores para garantir que a pesquisa continue sendo de alta qualidade e orientada por hipóteses, onde o único critério para avaliação é a excelência científica. Um pesquisador que tenha recebido subsídios da ERC traz financiamento e prestígio à instituição acadêmica e, portanto, se torna um forte ativo.

O Presidente do ERC, Jean Pierre Bourguignon, falou durante a sessão do ESOF sobre uma nova medida proposta, em que não apenas os resultados profissionais dos beneficiados dos subsídios da ERC, mas também dos membros da sua equipe, serão monitorados.

Seguir a equipe é importante, pois aumenta a responsabilidade do pesquisador e fornece incentivos claros para colocar essa questão em primeiro plano. Este esquema também nos permitirá ver quais são os resultados para o próprio sistema acadêmico: ter uma subvenção do ERC ajuda os pesquisadores da equipe ou apenas o Investigador Principal?

É claro que mais e mais informações de qualidade são necessárias, pois é fundamental na definição de estratégias.

Empatia e humanismo

A academia ainda depende principalmente do registro de publicações como critério de avaliação. Durante a sessão do ESOF, foi levantado que esse foco nas publicações criou um sistema no qual há uma crescente falta de empatia dos pesquisadores em relação aos pós-doutores. Isso quase nunca é intencional, mas sim a resposta do pesquisador principal às pressões externas para se manter à tona em um ambiente hipercompetitivo e subfinanciado.

Como podemos garantir que valorizamos líderes empáticos e compassivos que fornecem bons ambientes de pesquisa?

 Apoiar outras métricas, como registros de orientação e treinamento, medidos em resultados positivos, criaria um incentivo. De forma encorajadora, outras práticas nesse campo estão sendo desenvolvidas .

Gentileza na ciência

Algumas questões difíceis foram levantadas durante a sessão do ESOF: a academia é tão cruel, sem apoio e competitiva que está se tornando pouco atraente? Estamos perdendo as habilidades e talentos de algumas de nossas pessoas mais brilhantes porque elas decidiram sair ou não podem continuar sob esse tipo de modelo?

Renee Schroeder, professora da Universidade de Viena, acredita que há verdade nisso. Schroeder recomendou que os pesquisadores escolhessem um laboratório baseado na empatia, no nível de suporte do pesquisador principal, e o resultado profissional de seus pesquisadores, não apenas em seu registro de publicação. Isso é especialmente importante para o desenvolvimento da carreira de pesquisadores em meio de carreira, já que eles raramente têm apoio e orientação além de seus pesquisadores principais.

Uma nova iniciativa vinda da Nova Zelândia começou a abordar isso. O grupo por trás dessa iniciativa realizou seu primeiro workshop de ‘Gentileza na Ciência’ em dezembro de 2017 e tem como objetivo construir um movimento para um mundo científico mais inclusivo e amável. Pesquisadores de todas as etapas da carreira encontram valor acrescentando um pouco mais de gentileza ao sistema científico. Talvez possamos descobrir que a própria ciência também se beneficiará disso?

Pesquisadores de todas as etapas da carreira encontram valor acrescentando um pouco mais de gentileza ao sistema científico. Talvez possamos descobrir que a própria ciência também se beneficiará disso?

Acadêmicos são valiosos para a sociedade

O que se aprende em um PhD e os anos seguintes de pesquisa acadêmica não são apenas técnicos. Alguns dos aspectos mais importantes do treinamento em pesquisa são como pensar criticamente, como desenvolver processos de pensamento complexos e o desenvolvimento da criatividade. Todas essas habilidades são vitais para navegar nos desafios que a sociedade enfrenta hoje e no futuro. Essas são características que, de tempos em tempos, foram destacadas como cruciais para o futuro de nossa sociedade. Cientistas em meio de carreira aprimoraram essas habilidades e, juntamente com outras, como liderança e capacidade de lidar com a incerteza e novos desafios, tornam esse público um forte ativo para a sociedade em geral.

Tomando iniciativa

Esse problema é ainda mais intensificado pela falta de ferramentas específicas de desenvolvimento de carreira. Não devemos tratar da mesma maneira os estudantes de doutorado e os pesquisadores seniores, porque os desafios e as experiências são distintos.

Algumas iniciativas, passadas e presentes , abordam esse problema e esperamos que mais virão no futuro. Outras iniciativas notáveis ​​incluem livros que discutem as melhores práticas para desenvolvimento de carreira: por exemplo, o livro “What Every Postdoc Needs to Know” e um livro semelhante PhD candidates.

Podemos evitar ou, pelo menos, minimizar as futuras “gerações perdidas”? Talvez possamos seguir esses passos iniciais: (i) Reestruturar o sistema de pesquisa para incluir posições intermediárias mais estáveis ​​e de longo prazo; (ii) acompanhar o progresso e os resultados dos pesquisadores em meio de carreira; (iii) Fornecer melhores ferramentas e esquemas para o desenvolvimento de carreira; e (iv) compartilhar a responsabilidade entre todas as partes interessadas, para ter um sistema de pesquisa mais justo, mais transparente e mais amável.

Sobre os autores

Dra. Sara Ricardo é professora de carreira no Instituto de Biologia Molecular de Barcelona e um consultor independente.

Prof Gilles Mirambeau é professor da Sorbonne Université.

Original publicado em  https://medium.com/marie-curie-alumni/whats-next-for-the-lost-generation-of-academics-2dcc4ac032c?fbclid=IwAR1tr3QSvedwlVZGcOe7oSjlOGyjIcVLoGRrPMOPLsMhRHKXSyDTpWLjsjM

O que é, e o que não é, normal numa pós-graduação

A pós-graduação stricto sensu é uma etapa bastante intensa da vida acadêmica.

Essa intensidade ocorre porque você terá que trabalhar muito para obter e tratar dados, ler muito, estudar muito, escrever muito e o tempo para tudo isso é cronometrado.

Ao final do processo, será a sua contribuição para sua área do conhecimento. Isso não é pouco, trás responsabilidades, consequências, e obviamente, dificuldades surgirão.

Este é o contexto de uma pós-graduação.

Cada pessoa lida de uma forma com o percurso a ser percorrido, da aprovação no processo seletivo, até a defesa do mestrado ou doutorado!

Além do fato de reagirem de formas distintas, muitas pessoas tem normatizado situações que não deveriam ser encaradas como normais.

Não é normal você chorar na frente do computador fazendo um trabalho!
Não é normal você ter crise de ansiedade!
Não é normal você ter medo de conversar com seu orientador!
Não é normal você se sentir inferior aos seus colegas!
Não é normal você chorar lendo um artigo!
Não é normal você sentir culpa por dormir!
Não é normal você abandonar sua rotina de lazer!
Não é normal você sentir vontade de não ir faculdade!
Não é normal você não ter tempo de cuidar da sua saúde!
Não é normal você ser humilhado ao fazer uma pergunta!
Não é normal você não ter tempo de visitar seus familiares e amigos!

Enfim, são inúmeras as situações que não são normais, mas que se você conversar com qualquer pós-graduando, ele vai te dizer algo do tipo “relaxa, isso é normal, vai passar, eu já me senti assim”!

Uma pós-graduação é difícil? Sim, bastante difícil, mas precisamos começar a dissociar o que são dificuldades normais,  do que são situações insalubres!

MEC autoriza 40% de EaD na graduação

 

Cursos de graduação presenciais poderão ofertar até 40% das aulas a distância. O limite anterior era de 20%. A medida foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) pelo Ministério da Educação (MEC), no último dia de 2018.

A portaria nº 1428 estabelece que os estudantes devem ser informados pelas instituições de ensino superior (IES) que parte do curso presencial será em formato de educação a distância (EAD). As instituições devem detalhar, de maneira objetiva, as disciplinas, conteúdos, metodologias e formas de avaliação dessas aulas.

Para Eblin Farage, secretária-geral do ANDES-SN, a medida prejudicará ainda mais a qualidade da educação ofertada no Brasil, já que o ensino básico e o superior não foram universalizados. “O ensino superior no Brasil é algo que já é restrito, não é para todos e será de mais baixa qualidade”, disse.

A medida foi elogiada pelas mantenedoras de ensino privado no país. As IES particulares detêm a maior parte das matrículas no ensino superior, 75,3%, de acordo com o último Censo da Educação Superior. Detêm também 90,6% das matrículas em EAD.

Portaria
De acordo com a portaria, para ofertar até 40% da carga horária do curso a distância, a instituição deve cumprir alguns requisitos como estar credenciada junto ao MEC nas modalidades presencial e a distância e ter um conceito institucional (CI) igual ou superior a 4. O curso que terá parte das aulas a distância deve ter Conceito de Curso (CC) igual ou superior a 4. Ambos conceitos são calculados a partir de avaliações do MEC e seguem uma escala que vai de 1 a 5, entre outros requisitos. A medida não valerá para cursos da área da saúde e de engenharia.

Em maio de 2017, o MEC havia publicado, por meio do decreto nº 9.057, as diretrizes de regulamentação da educação à distância no ensino básico e superior.

Confira os detalhes da Portaria nº 1428

Edição e acréscimo de informações de ANDES-SN

Publicado originalmente em: http://www.andes.org.br/andes/print-ultimas-noticias.andes?id=9903&fbclid=IwAR0xJH_-HemEo5p_K1vRSi4o9eKS6oup19fg-PM8V0aMgRL0Z2LSXPAaxdc

Não inicie um curso de mestrado/doutorado sem antes ler este texto.

Você terminou a graduação e um dos caminhos possíveis é ingressar numa pós-graduação stricto sensu (mestrado e doutorado) visando uma carreira acadêmica. Pois bem, o objetivo deste texto é destrinchar as várias etapas que você encontrará ao longo do caminho!

Eis alguns pontos que você deve analisar.

O TEMPO
Optar por uma pós-graduação stricto sensu implica em passar mais dois anos fazendo mestrado e mais quatro anos fazendo doutorado, portanto, são seis anos a mais de estudos.

O ECONÔMICO
Se tudo correr bem você terá uma bolsa que hoje tem os valores de R$ 1500,00 para o mestrado e de  R$ 2200,00 para o doutorado. Isso significa que seis anos após a sua formatura você estará ganhando, dependendo da profissão é lógico, muito menos que os seus colegas de faculdade. Acredite, isso pesa.

OS DIREITOS
Como pós-graduando você não tem nenhum direito trabalhista, ou seja, você não tem férias, não tem 13º e não contribui com o INSS. Isso interfere lá na frente, na hora da aposentadoria.
Observação: algumas pessoas fazem uma contribuição independente durante a pós-graduação, para ir contabilizando no montante final, mas são poucas as pessoas que sabem dessa possibilidade. Informe-se sobre isso.

O ORIENTADOR
Você pode conseguir um orientador amável e que funcionará como guia sinalizando os caminhos que você deverá percorrer durante a sua pós-graduação. Mas também poderá ter um orientador negligente que transformará sua vida num inferno, portanto, obtenha previamente o maior número de informações possíveis do seu futuro orientador.

AS ATIVIDADES
A pós-graduação requer um grande número de atividades que consumirão boa parte do seu tempo e talvez dê sua saúde mental. São elas: cursar disciplinas, fazer relatórios, coletar dados, coorientar colegas, reuniões, escrever artigos, participar de congressos, qualificar, escrever a dissertação e/ou tese. No geral, tudo isso vem junto e misturado, você deve ter um bom senso de organização para que tudo saia Ok.

RELAÇÕES PESSOAIS

Seu foco será o seu curso, família, relacionamentos e amizades estarão em segundo plano.

PÓS DEFESA
Não é pequeno o número de pessoas que passam 5, 6, 7 anos fazendo pós-doutorado. Isso ocorre por que o sistema é incapaz de absorver todo mundo, mas isso não é uma exclusividade Brasil. Nos Estados Unidos e na Europa apenas 30% dos doutores permanecem na universidade, o restante vai para o mercado de trabalho, diferentemente do Brasil, no qual é raro encontrar um doutor numa indústria.
Nesse momento é preciso fazer contas e ser frio, se você está há 7 anos no pós-doutorado, significa que você já está formado há pelo menos 12 anos, se por acaso você ficar sem bolsa, você estará desempregado e sem nenhuma garantia de nada. Ou seja, você tem dois títulos, alguns artigos e nenhuma certeza de que terá um emprego.

O EMPREGO
No Brasil, quase que a totalidade dos doutores estão nas universidades ou nos centros de pesquisas, salvo raras exceções.
Para conseguir um emprego em uma universidade privada é preciso uma boa rede de contatos e uma certa dose de sorte.
Já nas universidades públicas e no centros de pesquisas é necessário passar num concurso público. Hoje, um concurso para professor tem de cinco a mil candidatos, dependendo da área e da vaga pretendida.

O QUE FAZER ENTÃO?
Nas linhas acima, eu esbocei, mais ou menos, o percurso que todos os pós-graduandos percorrem desde que resolvem fazer um mestrado até conseguirem o tão sonhado emprego. Obviamente cada história tem suas particularidades, alguns enfrentam bem todas essas etapas, outros não.
Caso opte por seguir em frente, rumo a carreira acadêmica, espero que este texto lhe auxilie sobre o que virá! A jornada é longa e você deve estar muito consciente da sua decisão. Boa sorte!

Já conhece o nosso site? Mais completo, mais moderno e mais bonito, confira em: https://www.tudosobreposgraduacao.com/